top of page
Revista Spia - moodboard_edited.jpg

134 itens encontrados para ""

  • "Ao som dos clarins de momo"

    Montamos uma playlist de Carnaval e já vamos avisando: a saudade vai bater forte. Se o mundo estivesse em seu curso normal, nessa semana os carnavalescos de plantão estariam se preparando para a melhor festa do ano. Dessa vez a folia vai ser em casa, mas para aqueles que quiserem matar a saudade a Spia tem uma solução: preparamos uma playlist especial cheia de sucessos que vão fazer qualquer um se sentir dentro do melhor carnaval do mundo. Sim! Não foi fácil fazer essa playlist. Cada música que a gente escutava a saudade batia bem forte. Dessas, uma é especial para cada pessoa da nossa equipe, e como recordar é viver, decidimos falar o porquê dessas escolhas. Amanda Mansur: É a data se aproximando e as lembranças fervendo no imaginário popular. Não tem como fugir, o carnaval começa, continua e termina nas pessoas. Axé ou frevo, é inegável que nessa época a gente não consegue ficar parado, por que independentemente do ritmo nossa memória está impregnada de carnaval. Essa música que escolhi é a cara de Olinda. É impossível para mim pensar em carnaval e não pensar nessa cidade. E também é impossível você passar os dias de folia lá e não ter: chuva, suor e cerveja. "A gente se embala, se embora, se embola Só para na porta da igreja A gente se olha, se beija, se molha De chuva suor e cerveja." Márcio Correia Enquanto eu preparava o texto de divulgação desta matéria com o resto da equipe, passou na minha rua um fusquinha branco, com o som bem alto, tocando frevo. Imediatamente pulei da cadeira e fui correndo olhar pela janela. Passou rápido, mas deixou um sentimento de alegria. Queria uma música que me trouxesse isso e recorri às minhas recordações de carnaval em Garanhuns. A primeira coisa que lembrei foi daqueles jatos de água, feitos de cano. Era certo, todo carnaval meu avô fazia um desses para cada neto. Lembrei também da Garanheta, o carnaval fora de época que tinha lá. E lembrei da Ivete cantando os clássicos da Banda Eva. Minha escolha foi Beleza Rara, esse axé gostoso. Um clássico, que inclusive, só funciona na voz dela. Hanna Aragão Meu primeiro carnaval nas ladeira de Olinda foi em 2020. Eu, Duda, Kaká e um agregado, subimos e descemos aquelas ladeiras os 4 dias de carnaval. Não me arrependo de nada,, mas se a gente soubesse que o mundo acabaria dias depois do fim do carnaval, teríamos aproveitado muito mais. Antes mesmo de viajar, fizemos um grupo no whatsapp para combinar tudo, o nome do grupo quem deu foi Duda: "Elefantes de Olinda". Nem eu, nem Kaká, sabíamos que isso era uma música, na verdade, um hino. E me lembro do dia em que estávamos no meio da folia e essa música tocou, Duda olhou pra gente e disse: "O hino Elefantes de Olinda". Hoje, não posso escutar essa música sem lembrar de nós 3, suadas, lindas, cheias de glitter na cara, e felizes sem saber que o mundo acabaria. Adelvando Queiroz Sem dúvidas, enquanto pernambucano, o frevo se faz presente no meu imaginário desde que me entendo por gente. Mas Escolhi esse axé por ele me transportar para uma memória em específico. A gente cresce vivenciando o carnaval como a festa mais democrática e plural do nosso país; todos os corpos preocupados apenas em se fazerem felizes. E essa música me leva até a minha infância, lá nos anos 90, e me sinto confortável ao lembrar de como em minha inocência e no apagamento das fronteiras das diferenças a gente se permitia ser feliz. Quem imaginaria que passaríamos um ano sem o furdunço nas ruas? É claro que não somos apenas o país do carnaval, mas se tem uma coisa unânime é que ele faz parte de nós. Playlist produzida para o Especial de Carnaval.

  • Documentários de Fernando Spencer resgatam as origens do Maracatu e do Frevo

    Fernando Spencer foi um grande colaborador para a história do cinema Pernambucano. Diretor, roteirista e produtor, é autor de aproximadamente 36 filmes de curta-metragem em diversos formatos. Dos seus filmes, os documentários são os mais recorrentes. Ao resgatar filmes que tenha o Carnaval como tema, além de Capiba ontem, hoje e sempre, Spencer também documentou duas importantes manifestações: o Maracatu e o Frevo. Em Santa do Maracatu, documentário lançado em 1980, o diretor resgata as origens do Maracatu, tendo como base D. Santa, famosa rainha do Maracatu Elefante. O filme de 10 minutos, além de trazer um texto narrado sobre as origens do maracatu, resgata imagens de Dona Santa se apresentando com toda sua graça real. Passeia por seu rico acervo, que hoje se encontra no Museu do Homem do Nordeste, e nos presenteia com imagens do Maracatu Leão Coroado, onde também foi rainha. Já em Trajetória do Frevo, documentário lançado em 1988, Spencer resgata as origens políticas e sociais do frevo, a partir do século XIX. Com narração de Jomard Muniz de Britto, esse filme de 9 minutos, nos mostra como a resistência do povo pernambucano foi importante para o surgimento do frevo e como a capoeira deu forma aos passos e ao corpo do frevo. Os dois filmes estão disponíveis no site da Cinemateca Pernambucana e podem ser conferidos de forma gratuita. Indicação produzida para o Especial de Carnaval.

  • Cineasta Leonardo Lacca promove oficina de preparação de elenco

    Objetivo é preparar os participantes para seleções e obras audiovisuais. Entre os dias 27 de fevereiro e 27 de março será realizada a Oficina de Preparação de Elenco, de forma online e gratuita. A iniciativa foi desenvolvida pelo cineasta e preparador de elenco Leonardo Lacca e tem o objetivo de abordar técnicas de atuação, além de preparar os participantes para seleções e obras audiovisuais com a produção de self-tapes (auto filmagens utilizadas nos testes). O projeto vai oferecer apenas 10 vagas, a fim de promover uma vivência intimista, com muita troca e atenção individual aos participantes. Serão 5 encontros coletivos com 3 horas de duração cada, sempre aos sábados, das 14 às 17h. Ao final, serão realizados encontros de mentoria individual de 1 hora de duração com cada participante. Os interessados em participar devem se inscrever até o dia 16 de fevereiro através do formulário online e dar um depoimento sobre qual a motivação para participar da Oficina. O depoimento pode ser enviado através de vídeo criativo ou um texto. Destinada a atrizes e atores iniciantes, preferencialmente de Pernambuco, as vagas tem como prioridades pessoas pretas, pardas ou indígenas, mulheres, pessoas idosas, pessoas com deficiência e pessoas cuja identidade não seja cisgênera. Para mais informações, basta acessar o link do formulário ou o Instagram do projeto (@ope_online). A oficina tem o incentivo da Lei Aldir Blanc em Pernambuco. Sobre Leonardo Lacca: Preparador de elenco dos filmes Bacurau (2019) e Aquarius (2016), é também diretor e roteirista. Sua produção teve início em 2001, quando, a partir de uma experiência com VHS, finalizou seu primeiro filme. No ano de 2003, realizou profissionalmente seu primeiro curta. É membro e fundador da Trincheira Filmes, junto com Marcelo Lordello e Tião (Fonte: Cinemateca Pernambucana). Suas produções estão disponíveis no site da Cinemateca Pernambucana. Serviço: Oficina de Preparação de Elenco Data: 27 de fevereiro até 27 de março Hora: 14 às 17h Local: Zoom Inscrições: clique aqui

  • “Desde que haja frevo” é carnaval

    O mini documentário do eterno Fernando Spencer (1927-2014) começa com dois tapas na cara. O primeiro, além do tapa, é um gatilho: Capiba foliando. O segundo, é que o fragmento (sem data) que inicia o filme de Spencer, lançado em 1984, parece ser uma profecia do compositor. Em uma entrevista em meio ao povo (saudades), Capiba solta “o carnaval não tá morrendo, não, quem tá morrendo é o povo”. Claro que não passava pela cabeça do músico a existência de uma crise sanitária e nem a possibilidade de um ano sem o carnaval. O “ufa” disso tudo veio em uma fala anterior: “o [carnaval] que virá será melhor que esse”. Aparentemente Capiba sempre foi certeiro. Nascido na cidade de Surubim, no agreste pernambucano em 1904, Lourenço da Fonseca Barbosa ou Capiba, foi um homem de muitos talentos. Além de músico, pianista e compositor, também se aventurou na pintura e foi até jogador de futebol profissional. Mas é como um compositor de frevos que ele virou uma lenda. Suas canções embalam as comemorações carnavalescas e permanecem até hoje. Ele fornecia ao povo o que o povo queria. No filme, além do fragmento da entrevista, que inclusive é embalada pelo seu grande sucesso É de amargar, Fernando Spencer acompanha o músico pelas ruas de Recife e coloca suas músicas para mostrar, além da capital, as cidades de Igarassu e Olinda. Essa sobreposição das músicas e imagens mostram como Capiba cantou as ruas por onde andou. Spencer faz uma caminhada pelos lugares históricos das três cidades, mostrando o “Capiba de ontem” que canta e conta a história que ele viveu. O “de hoje” se faz presente na breve entrevista com Spencer que, sempre muito direto em suas perguntas, recebia respostas mais diretas ainda. E o “de sempre”, que mal sabia que a sua definição de carnaval, “desde que haja frevo”, faria completo sentido em 2021. Capiba faleceu em 1997 na cidade do Recife. O filme completo pode ser conferido de forma gratuita no site da Cinemateca Pernambucana: http://cinematecapernambucana.com.br/filme/?id=2344 Crítica feita por Márcio Correia para o Especial de Carnaval.

  • Semana do Audiovisual Negro recebe inscrições para filmes até o dia 31 de Janeiro

    Esse ano, além do cinema negro, o evento recebe inscrições de filmes dirigidos por indígenas. A segunda semana do Audiovisual Negro, que acontecerá de 08 a 14 de março de 2021, em formato online, recebe até o dia 31 desse mês inscrições de curtas-metragens de diretores e diretoras negras e indígenas de todo Brasil. A proposta do evento deste ano é a aproximação entre o cinema negro e o cinema indígena, através da reflexão sobre ancestralidade e territorialidade das imagens. Os curtas precisam ter duração máxima de 30 minutos e terem sido realizados a partir de janeiro de 2019. Podem participar filmes de ficção, documentais, experimentais e animações, incluindo produções universitárias ou de contextos formativos. A Semana do Audiovisual Negro conta com exibição de filmes, exposição de vídeoarte, promoção de debates e oficinas de formação. Toda a programação tem acesso gratuito. As inscrições de curtas-metragens, que tem caráter competitivo, podem ser feitas gratuitamente através do link http://bit.ly/Inscrições_Filmes_SAN . Esse é o primeiro festival de cinema, de caráter competitivo, criado em Pernambuco com o recorte racial. O evento foi criado diante da constatação que o mercado audiovisual brasileiro ainda restringe a distribuição do Cinema Negro. A mostra tem o objetivo de fortalecer o antirracismo dentro do cinema nacional e no estado de Pernambuco. Além de contribuir para a difusão audiovisual, através do reconhecimento e valorização dos profissionais negros e negras e possibilitando ao público o acesso a filmes dirigidos por pessoas negras A segunda edição da Semana é realizada pelo Cineclube Alma no Olho em parceria com a Tarrafa Produtora e o incentivo do Edital da Lei Aldir Blanc, lançado pelo Governo do Estado de Pernambuco, através da Secretaria de Cultura e Fundarpe. O evento conta com apoio do Coletivo de Negritude de Pernambuco, Cineclube Bamako,Cineclube Fazendo Milagres, Coletivo Ficcionalizar e Cinema UFPE. Sobre as Oficinas: Serão realizadas três oficinas com inscrições gratuitas: Videoarte Ação, com Lia Letícia; Cinema de Animação Negra, com Kalor Pacheco; e Cinema Lésbico, com Mariana Souza. Os interessados poderão obter mais informações e se inscrever no período de 01 a 10 de fevereiro de 2021 no link http://bit.ly/Oficinas_SemanaAudiovisualNegro . Os selecionados para as oficinas serão divulgados no dia 20 de fevereiro. Os curtas-metragens serão avaliados por uma curadoria composta por integrantes da Semana e curadores convidados e convidadas. As obras selecionadas serão divulgadas até o dia 28 de fevereiro de 2021, através das redes sociais do evento (Instagram @audiovisual.negro e no Facebook semanadoaudiovisualnegro ) e por e-mail aos responsáveis pela inscrição. Os filmes selecionados ficarão disponíveis em plataforma online durante toda a programação da Semana. O júri concederá prêmios a três curtas-metragens no valor de R$ 1.000,00 (cada). O júri oficial será composto por 03 três pessoas convidadas, e terá acompanhamento de uma membra da equipe da Semana, enquanto presidenta do júri.

  • Vídeo Ensaio: A Música em A História da Eternidade

    Descrição: Em A História da Eternidade (2014), primeiro longa ficcional do diretor Camilo Cavalcante, as músicas tocadas no acordeão pelo personagem Aderaldo (Leonardo França), além de acalmar a dor que Querência (Marcélia Cartaxo) sofria pelas suas perdas, acabam possibilitando uma relação amorosa entre os dois personagens. No filme, a música feita e tocada no acordeon pelo saudoso Dominguinhos, se torna personagem. Classificação indicativa: +14 / Por Luiza Moura Sobre Camilo Cavalcante: Nasceu no Recife, no dia 08 de outubro de 1974. É formado em Jornalismo pela Universidade Federal de Pernambuco. Realizou os vídeos Cálice; Hambre Hombre; Os Dois Velhinhos; Leviatã; Matarás; Alma Cega; Amorte e Ave Maria ou Mãe dos Oprimidos. Também dirigiu Ocaso, curta-metragem em 16mm. É roteirista e diretor dos curtas em 35mm: O Velho, O Mar e O Lago; A História da Eternidade; Rapsódia Para Um Homem Comum; O Presidente dos Estados Unidos; Ave Maria ou Mãe dos Sertanejos e My Way. Produziu e dirigiu a série de TV Olhar, exibida pelo Canal Brasil. É idealizador e coordenador do projeto Cinema Volante Luar do Sertão, que exibe curtas-metragens gratuitamente em cidades do semiárido. Em 2014, seu primeiro longa-metragem de ficção, A História da Eternidade, estreou no Festival de Roterdã. (Cinemateca Pernambucana) A obra completa do diretor está disponível gratuitamente no site da Cinemateca Pernambucana: http://cinematecapernambucana.com.br/diretores/camilo-cavalcante/

  • Vídeo Ensaio: Ponto de Vista

    Descrição: O vídeo ensaio reúne cenas de diversos trabalhos do diretor Cláudio Assis, com fotografia de Walter Carvalho. As cenas selecionadas exploram o uso da câmera zenital ou plongée absoluto, fundamental na construção estética dos filmes do diretor. Esta técnica em Assis, confronta os valores éticos e morais do espectador, enquanto força-o a observar cada cena do ponto de vista de um juiz. Classificação indicativa: +18 / Por: Laís Queiroz Para conhecer um pouco mais de Cláudio Assis, recomendamos a serie Olhar disponível na Cinemateca Pernambucana: http://cinematecapernambucana.com.br/filme/?id=3226

  • Vídeo Ensaio: Geneton em Super 8

    Descrição: O jovem Geneton também era um poeta prodigioso. Participou de vários concursos de poesia e com a premiação em dinheiro de um deles, comprou uma câmera super-8. Seu talento com as palavras se uniu a vontade de produzir filmes, tornando-se um dos nomes mais importantes do Ciclo Super-8. Classificação: +12 / Por: Breno Melo Sobre Geneton Moraes Neto: Nascido no Recife, em 1956, Geneton [Carneiro de] Moraes Neto foi jornalista e cineasta. Iniciou a carreira como repórter ainda adolescente, no suplemento infantil Júnior, do Diário de Pernambuco, no início dos anos 1970. Geneton trabalhou na sucursal Nordeste de O Estado de S. Paulo, entre 1975 e 1980, na Rede Globo de Televisão a partir de 1985, tendo sido editor do Jornal da Globo e do Jornal Nacional, e posteriormente correspondente da GloboNews e do jornal O Globo na Inglaterra. Foi ainda editor-chefe do programa dominical Fantástico. Em paralelo ao trabalho jornalístico, foi responsável por uma importante produção no campo do audiovisual. A partir de 1973, passou a realizar curtas em Super-8, por influência e incentivo do crítico pernambucano Fernando Spencer. Até 1984, realizou curtas em Pernambuco, no Rio de Janeiro, na Itália e na França, sempre experimentais, baseados em textos poéticos, e explorando a imagem estourada da bitola super-8. (Cinemateca Pernambucana) A obra completa do diretor está disponível gratuitamente no site da Cinemateca Pernambucana: http://cinematecapernambucana.com.br/diretores/geneton-moraes-neto/

  • Projeto MiradaPE inicia nova fase com lives para discutir a Cultura na América Latina

    Iniciativa é idealizada pela produtora Amanda Nascimento, e vai acontecer no perfil do Instagram do @miradape. O Mirada PE, projeto idealizado pela produtora Amanda Nascimento vai realizar mais uma série de lives para discutir a cultura na América Latina. O @miradaPE é um espaço de integração do Estado de Pernambuco com a América Latina e tem como principal objetivo intercambiar as obras do setor audiovisual, oferecendo um espaço de exposição e reflexão em torno da produção pernambucana, servindo como uma grande vitrine e espaço de discussão entre o Estado e os países da América Latina. A nova fase do projeto trará 10 lives com artistas e produtores do continente geopolítico. O primeiro dia do Mirada PE vai receber cineasta baiano Orlando Senna, ex-diretor da Escuela Internacional de Cine y TV (EICTV) de San Antonio de Los Baños, Cuba. Outros artistas também farão parte da programa na sequência, como a atriz paraguaia Ana Ivanova ("Las Herederas", de Marcelo Martinessi e "King Kong en Asunción", de Camilo Cavalcante), o cineasta pernambucano Camilo Cavalcante, a bailarina pernambucana ex-residente de Havana, Nanny Alves e o músico argentino (da Patagônia), Shaman Herrera. A iniciativa vai começar a partir do próximo sábado (23) e segue até dia 5 de fevereiro. As lives acontecerão de segunda a sexta-feira a partir das 16h, com exceção do sábado (23), no Instagram do @miradape. Esta nova fase do projeto foi contemplada pelos recursos emergenciais da Lei Aldir Blanc (Nº 14.017/2020), através do edital de “Criação, Fruição e Difusão”, com análise da Secretaria de Cultura do Estado de Pernambuco (Secult-PE). Sobre Orlando Senna Diretor e roteirista dos filmes “Diamante Bruto”, “Brascuba”, “Iracema-Uma Transa Amazônica”, “Gitirana”, “Idade da Água”, “Longe do Paraíso”. Autor de roteiros para TV e cinema, entre eles “O Rei da Noite”, “Coronel Delmiro Gouveia”, “Ópera do Malandro”, “Oedipus Major”. Seus filmes foram premiados nos festivais de Cannes, Taormina, Pésaro, Havana, Brasília, Rio. Autor dos livros “Xana”, “Um Gosto de Eternidade”, “Os Lençóis e os Sonhos”, entre outros. Foi diretor da Escola Internacional de Cinema e Televisão de Cuba, Secretário Nacional do Audiovisual, diretor geral da TV Brasil, diretor presidente da Televisão América Latina (TAL). Nasceu em Afrânio Peixoto, Bahia e tem 80 anos. Serviço Lives Mirada PE (@miradape) Data: 23 de janeiro Hora: 16h Local: Perfil do Instagram @miradape

  • F(r)icções: Oficina online e gratuita sobre crítica de cinema abre inscrições

    Aulas serão ministradas pelo pesquisador e roteirista Márcio Andrade, com foco no cinema pernambucano e nacional. A oficina "F(r)icções - Laboratório de Ensaios de Cinema", está com inscrições abertas de forma online e gratuita. A formação, ministrada pelo pesquisador e roteirista Márcio Andrade, tem o objetivo de promover encontros sobre leitura, interpretação e produção de conteúdo sobre cinema nacional e pernambucano. O projeto será dividido em três módulos independentes que acontecem entre fevereiro e março, cada um com 12h de duração. Serão disponibilizadas 60 vagas, sendo 20 vagas para cada módulo. As vagas terão um percentual reservado para mulheres, pessoas negras, indígenas, LGBTQIA+, alunos e professores da rede pública de ensino. Cada módulo trará uma abordagem diferente, apresentando princípios da linguagem cinematográfica por meio da produção de ensaios em textos, podcasts e vídeos. O primeiro módulo se chama “Olhar” e vai acontecer entre os dias 8 e 12 de fevereiro, abordando os principais formatos de escrita sobre cinema: resenha, crítica, ensaio, entre outros. Em seguida haverá o módulo “Fabular”, entre os dias 22 e 26 de fevereiro. Na ocasião, os alunos vão trabalhar na produção de podcasts sobre curtas-metragens, explorando técnicas de escrita de roteiro, gravação e edição. O terceiro e último módulo, “Imaginar(-se)”, acontece entre os dias 8 e 12 de março. Neste módulo, os participantes irão criar um vídeo-ensaio com análise de cenas de um longa-metragem. Todas as turmas terão aulas no horário das 19h às 21h. Os interessados em participar devem inscrever-se através do site combomultimidia.com ou pelo formulário de inscrição até o dia 31 de janeiro. Ao final das oficinas, todos os materiais produzidos serão publicados na revista digital F(r)icções (friccoes.com). Tanto a oficina como a revista digital foram desenvolvidos com recursos dos editais emergenciais da Lei Aldir Blanc em Pernambuco. Sobre o professor Márcio Andrade é doutor em Comunicação pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (PPGCOM/UERJ), com período de intercâmbio na Universidad de Navarra - Pamplona - Espanha. Autor do livro Autobiografias do Outro – Camadas de Selfies em Documentários Pernambucanos (2015) e de diversos artigos sobre cinema publicados em revistas acadêmicas. Atualmente, coordena a produtora de conteúdo Combo Multimídia – responsável por projetos de curtas-metragens; de produção de conteúdo para internet como a revista digital multimídia Quarta Parede (4parede.com) e os podcasts storytelling Aventurama, Anônimos e Espelhos Quebrados (em desenvolvimento); e oficinas como F(r)icções e Ponto de Virada – Laboratório de Social Video. Além disso, já participou de comissões julgadoras para o concurso Rucker Vieira e Festival de Inverno de Garanhuns e de júris de festivais como Janela Internacional de Cinema do Recife, Recifest, FestCine e Cine Chinelo.

  • O documentário de Marcelo Pedroso e a convergência entre cinema e jornalismo

    Cineasta fala sobre a trajetória e influência de sua formação acadêmica nas produções audiovisuais. Marcelo Pedroso é diretor e documentarista, formado em jornalismo pela Universidade Federal de Pernambuco. Combinando o olhar atento e crítico com as possibilidades documentais, Marcelo deu vida a vários curtas, entre eles Aeroporto (2010) e Em trânsito (2013), além de longas como Pacific (2009), Brasil S/A (2014) e KFZ - 1348 (2009), sendo este último seu primeiro longa, com roteiro e direção em parceria com o cineasta Gabriel Mascaro. Ainda durante a faculdade, o diretor e mais alguns amigos deram início a um coletivo de cinema que mais tarde se tornaria a produtora Símio Filmes. Em 2008, a Símio foi oficialmente formalizada integrando apenas Daniel Bandeira, Marcelo Pedroso, Gabriel Mascaro e Juliano Dornelles. Marcelo conversou com a Spia e falou sobre como começou a fazer documentários, como sua formação em jornalismo influencia nas suas produções e qual sua relação com a idas e vindas da vida. Como foi que você entrou no mundo do documentário? Eu me formei em jornalismo pela Universidade Federal de Pernambuco, e tive contato com o cinema na universidade. Eu fui estudar jornalismo porque eu gostava de escrever e não tinha nenhuma vontade ou vocação para trabalhar com imagens, mas aí na faculdade eu entrei em contato com vários colegas que eram vocacionados e tinha interesse de trabalhar com cinema e eles já filmavam. Foi a partir daí que eu comecei a me aventurar por esse meio e eu acho que teve uma convergência entre o jornalismo e o cinema que resultou na prática do documentário, não que o documentário seja tributário do jornalismo, são correntes que tem muitas diferenças, mas o fato de ter o interesse pelo o que a gente chama de real, pelo mundo histórico que vinha do jornalismo, de abordar questões do mundo, fatos e acontecimentos, tudo isso convergiu e resultou nessa aproximação com o documentário. Politicamente, eu me via muitas vezes desalinhado das prerrogativas do jornal e acho que foi um pouco em função disso que eu fui encontrando esse vetor de fuga e passei a trabalhar com o documentário como modo de aproximação com a realidade. Boa parte dos cineastas pernambucanos fizeram jornalismo e dentro do curso se envolveram com cinema e não atuaram mais nesta área, contigo foi quase a mesma coisa, mas você chegou a atuar como jornalista. Eu trabalhei 4 anos na redação do Jornal do Commércio. Na verdade, quando eu estava na faculdade eu era estagiário do jornal e depois que me formei passei uns 3 anos como contratado mesmo. E foi uma experiência muito boa, eu adorava! Trabalhei no Caderno de Cidades e era um caderno muito difícil, porque você tem um contato muito epidérmico com a realidade, com uma realidade muitas vezes brutal, de violência, de injustiças... Estar perto disso e tentar através da sua capacidade de reportar aquilo, tentar modificar e transformar de alguma forma, fazia com que eu me encontrasse nesse ofício, ao mesmo tempo eu também tinha muita dificuldade. Enquanto jornalista, você está sujeito a uma corporação e isso traz uma série de regras e limites para a sua atuação. Muitas vezes você está querendo ir de encontro aos interesses do jornal, da empresa e se vê muito cerceado. Então, politicamente, eu me via muitas vezes desalinhado das prerrogativas do jornal e acho que foi um pouco em função disso que eu fui encontrando esse vetor de fuga e passei a trabalhar com o documentário como modo de aproximação com a realidade. São paradigmas muito distintos do ponto de vista ético e político. Existe sim uma convergência em algum lugar, talvez essa aproximação com o mundo histórico, mas ainda são coisas muito diferentes. A liberdade e a possibilidade de ter autonomia do ponto de vista político e estético que o documentário ofereceu foi o que respondeu justamente às limitações que eu encontrava no jornal. Brasil S/A está disponível no YouTube. Eu tenho uma professora que diz que não existe jornalismo imparcial, e como estamos falando de jornalismo e eu enxergo o documentário como sendo e não sendo uma vertente do jornalismo, eu queria saber de você se o documentário é imparcial? Eu acho que o campo do documentário é muito plural, existem práticas documentais que são muito impregnadas no ideário jornalístico, inclusive no ideário da imparcialidade jornalística, algo que não acredito, mas que é defendido por muitas vertentes, empresas e pessoas. Eu, particularmente não acredito, como também não acredito na possibilidade do documentário ser imparcial, eu não acredito na imparcialidade de nenhum campo da atividade humana. Essa suposta neutralidade é uma invenção de um determinado momento histórico que atendia a interesses políticos, sociais e científicos específicos, que a história tem mostrado que não procede. O que eu acho mais interessante do documentário é entender que ele tem um lado. O jornalismo também tem um lado, embora ele tenha que dissimular e camuflar sob essa áurea da imparcialidade, ele tem um lado, é o lado do capital, o lado do patrão, da empresa, mas ele nega isso. O documentário não, a gente assume que a gente tem um lado e esse lado pode ser um que a gente queira se alinhar. Eu acho isso uma grande confusão, quando as pessoas cobram essa neutralidade. O barato é justamente o filme que se assume enquanto ponto de vista sobre a realidade, um recorte que direciona, seleciona, organiza e manipula todas essas ações que não necessariamente são dissimuladas no documentário. Pelo contrário, elas são colocadas às vezes dentro da própria cena, a gente quebra o pacto ilusionista no documentário, a gente admite a filmagem do próprio processo. O que me encanta no documentário é a parcialidade, é o tomar partido, é o ser histórico, é estar no mundo assumindo um posicionamento. Muitas pessoas cobram isso, só os fatos, mas acredito que não exista uma verdade única. Isso. Mesmo que você seja uma pessoa super desejosa da neutralidade, ela tem que entender que ela é um sujeito. Por exemplo, um filme feito por um homem branco e heterossexual, é um sujeito tido como “universal”, dentro do projeto colonial, e que muitas vezes tenta ocultar essa perspectiva. Eu, por exemplo, já cai nessa de achar que o lugar que ocupo não é perspectivado. Qualquer filme ou reportagem vai ser assumido a partir desse lugar específico ocupado por essa pessoa. Essa pessoa vai sempre reportar essa dimensão a partir da sua própria existência, dos pontos cegos que incidem sobre ela e das possibilidades de leituras do mundo que serão determinadas pelas condições de existência dela. Tudo isso é filtrado por uma sensibilidade que é esculpida por condições históricas, esse filtro ai é inescapável, mesmo que ela queira negar, é ela que está no jogo. Em geral, são lutas responsáveis por produzir, por tentar, por construir mundos mais igualitários e menos injustos. O audiovisual pode disseminar ideias, pode apresentar modos de vida, pode endossar pontos de vista, dar visibilidade a formas de existência, e todas essas operações podem ser lidas como instrumentos úteis à luta dos movimentos sociais. Você é uma pessoa ligada a movimentos políticos, queria saber qual o papel do audiovisual dentro desses movimentos? Eu acho que tem muitos papéis, um deles é de ser aliado e se colocar como instrumento para uma determinada luta. O audiovisual agencia diferentes regimes de visibilidade e de sensibilidade, então, ao construir representações ele constrói mundos. O imaginário que ele propõe e produz é parte do mundo em que a gente vive, então nesse sentido, o audiovisual pode se valer dessa capacidade de produzir mundos ou produzir imaginários para se aliar aos movimentos em suas diversas lutas. Em geral, são lutas responsáveis por produzir, por tentar, por construir mundos mais igualitários e menos injustos. O audiovisual pode disseminar ideias, pode apresentar modos de vida, pode endossar pontos de vista, dar visibilidade a formas de existência, e todas essas operações podem ser lidas como instrumentos úteis à luta dos movimentos sociais. Você se engaja ali, enquanto um militante, que está empenhado em produzir esses materiais servindo uma causa. Ao mesmo tempo, o audiovisual pode também problematizar os próprios movimentos, tensionar alguns consensos que existem dentro dos movimentos, porque os movimentos sociais não podem ser idealizados. Eu por exemplo, por mais que na minha atuação eu tente me construir como um aliado, enquanto alguém que endossa o projeto de sociedade que os movimentos estão construindo e estão defendendo, também tenho minhas críticas a várias coisas. Tem filmes que a gente faz pensando em desorganizar alguns consensos, levar uma auto reflexão para dentro dos movimentos, tensionar alguns pressupostos. Assista ao curta Aeroporto (2010) Assista Pacific (2009) Você acredita que os documentários produzidos aqui em Pernambuco têm alguma especificidade? Não sei, eu acho que no Brasil a gente fala muito o documentário mineiro, ou do pessoal do Ceará de uma galera que fez algo que trouxe uma identidade específica, uma diversidade grande de perspectiva. O Cinema Pernambucano em geral, diz respeito a um cinema de ficção, eu acho que o documentário feito aqui não tenha muito essa unidade, embora que o Cinema Pernambucano também não tenha muita essa unidade, pelo menos do meu ponto de vista. Acho que a ideia de Cinema Pernambucano também é uma grande estratégia política e de marketing, que foi e tem sido eficaz, por exemplo, cobrar políticas públicas para o audiovisual. Essa grife do cinema pernambucano foi muito bem usada e muito bem aproveitada pra isso, mas ele realmente agrega uma diversidade tão grande de coisas, de pessoas, de forma de olhar, que também não dá pra reduzir a isso. Você é integrante da Símio Filmes, como é o trabalho dentro de uma produtora? A Símio foi criada oficialmente como um coletivo em 2002/2003 e queríamos fazer filmes de forma lúdica, descompromissada, era um desejo das pessoas de realizar aquilo. Para a maioria de nós, nessa época, não tinha nenhuma pretensão de levar a frente, pra mim mesmo isso estava bem longe do horizonte, era, realmente, uma curiosidade, uma coisa prazerosa. Aos poucos, a gente foi levando mais a sério, e fomos nos conhecendo dentro daquela atividade. Além do prazer, percebemos um compromisso com aquilo, a gente se via ali como um espaço de expressão política no mundo e posteriormente no mundo profissional. Acho que a Símio se consolidou como produtora justamente na medida em que essas políticas públicas foram permitindo que a gente vislumbrasse a possibilidade de realizar nossos projetos e ideias que, até então, eram realizadas de forma completamente espontânea e financeiramente gerida sem incentivo externo. E era uma produtora, inicialmente com 10 homens, heterossexuais, a maioria brancos, isso diz muito sobre uma certa possibilidade de quem era autorizado a fazer cinema naquela época e ainda é hoje. Quando a gente formou a produtora dos 10 caras, só ficaram 4. As outras pessoas já tinham trilhado outros caminhos, um virou músico, outro diplomata, outro professor e aí os quatro que ficaram e formalizaram a Símio em 2008, foram: eu, Daniel Bandeira, Juliano Dornelles e Gabriel Mascaro. Em 2012/2013 Gabriel saiu da Símio e fundou uma produtora própria e ficamos só eu, Daniel e Juliano. Hoje, a gente continua enquanto um grupo de amigos fazendo algumas coisas juntos, mas não temos a mesma organicidade que tínhamos no começo, de realizar os filmes juntos. Hoje, tem uma certa atomização das relações, eu tenho os meus projetos, Juliano tem os dele, Daniel tem os dele, a gente se encontra, troca uma ideias, eventualmente nós colaboramos com o projeto um do outro. Mudando um pouco de assunto, dois filmes me chamaram a atenção que foram “Aeroporto” e “Pacific”. Eu achei que os dois dão a sensação de nostalgia, de saudade, idas e vindas...Qual é tua relação com as idas e vindas, principalmente neste período de distanciamento social? É isso aí (risos)... É difícil! Eu tenho a sensação que esse distanciamento social e o fato de muitas relações estarem se dando hoje mediados por essas câmeras e dispositivos eletrônicos, na verdade, é um grande laboratório do que vai ser o mundo, do que está se tornando o mundo. A proximidade se dá pela agência desse meio eletrônico. Para mim isso é muito assustador! Claro que tenho uma certa leitura positiva disso, mas também acho isso muito distópico. É realmente um paradigma de virtualização e não presentificação das relações que eu acho que vá ser muito difícil para a minha geração, talvez não para a sua. O que eu sinto, olhando um filme como Pacific, é que ele já estava olhando para isso. Acho que tudo isso é a consumação dessa sociedade do espetáculo, dessa sociedade mediada por imagens. Que é um projeto que está em curso, atualmente gerido por grandes corporações. Quando assisti O Dilema das Redes (2020), o que ele faz é colocar em palavras o que a gente já sabe, mas é bem didático. O que eu fiquei pensando foi que, o grande atentado terrorista hoje, seria destruir essa matrix, o Vale do Silício, para libertar a humanidade desse modo de se relacionar. Ali é onde tudo nosso está armazenado, onde nossos desejos estão sendo fabricados, onde estamos aprendendo a ser gente, reproduzindo padrões desenvolvidos por essas indústrias. Entrevista realizada por: Hanna Giovanna Aragão hannagiovanna@outlook.com ​

  • Os toques e as mungangas no cinema pernambucano

    Não há quem seja de Pernambuco e não saiba o que é uma munganga. Se você faz parte dos que não sabem, pernambucano ou não, eu só posso lamentar. E eu lamento lhe escrevendo enquanto faço uma munganga. Voinha diz que se o galo cantar eu vou ficar assim pra sempre. Eu vou explicar melhor. Munganga é uma expressão cômica, uma careta. O que é melhor que um corpo munganguento pra zombar da grande caretice que é a nossa sociedade? Talvez seja daí que nascem as LGBTQ+ nordestinas. Em experimento munganga.beta o realizador Tiago Lima nos prende numa viagem experimental de 37 minutos com uma performance estonteante da artista Libra. Do começo ao fim, a apresentação da artista é acompanhada de criações digitais que brincam com as formas e texturas do corpo. Servindo não apenas movimentos de câmera, mas experimentações de replicação, alteração e sobreposições tanto de imagens alheias quanto de partes do próprio corpo, é perceptível a intencionalidade de provocar os corpos em frente a tela. Essa provocação parece vir do desejo de romper com as formas de se perceber um corpo LGBTQ+, fruto de um contexto em que, para além de um falar sobre, é preciso dar visibilidade às existências e afetos corpóreos de um sujeito queer. A criação de um retrato audiovisual em que hipervaloriza o toque norteado pelo som de um set regado de música eletrônica, um techno poderoso, permite um passeio sinestésico ao espectador que supera os limites da identificação. Ressoa como um conto cheio de referências à história das pessoas LGBTQ+’s. Quando eu falo de toque, lembro que o cinema pernambucano já retratou corpos e afetos. Foi em 1975 que o famigerado Jomard Muniz de Britto lançou o que hoje se considera um dos primeiros filmes eróticos do estado. Em Toques, Jomard cria uma alegoria que atravessa o tempo para nos mostrar que a liberdade vem antes e depois da repressão. Nesse curta de sete minutos, três corpos aparecem livremente em paisagens naturais em clara referência às Graças. Num contexto de ainda forte repressão policial dos corpos marginais, o famigerado entrelaça a beleza ambígua dos corpos para além de uma união puramente carnal. Tudo isso com a música Pelos Olhos, de Caetano Veloso, como um quarto elemento compondo a obra. Estando nós num contexto sociocultural mudado, não tem como não notarmos como as obras audiovisuais são produtos do seu tempo. Tiago Lima não esconde suas referências. Ele as reverência. Mas também sabe nos maravilhar com sua performance contemplativa da performance do corpo filmado. Seu olhar potencializa politicamente o corpo de Libra e imprime em tela as particularidades e intimidades da personagem. Em consonância com o famigerado, Tiago compõe uma obra que utiliza de elementos fílmicos e personagens que questionam as representações, discute as liberdades e o próprio fazer cinema. Porém, diferente daquele, ele nos oferece uma obra analógica em que um corpo que faz caretas é permeado de afetos e que já não quer mais discutir sua existência, ela é real, e agora, é dar visibilidade às histórias que perfuram e completam esse corpo. Uma obra que diz: meu corpo é uma grande munganga para os caretas. E entenda, o LGBTQ+ irá sempre tocar-se, seja como resistência ou ressignificância da sua presença no tempo e no espaço. O que é mais Pernambuco queer que um corpo munganguento? Referências JOMARD Muniz de Britto. Disponível em: http://cinematecapernambucana.com.br/diretores/jomard-muniz-de-britto/ . Acesso em: 01 dez. 2020 SARMET, E. ; BALTAR, M. . Pedagogias do desejo no cinema queer contemporâneo. Textura - ULBRA , v. 18, p. 50-66, 2016. TIAGO Lima. Disponível em: https://tiagovlima.hotglue.me/ . Acesso em: 01 dez. 2020

bottom of page